“Alternative information centers (infoshops)”, por Bojan Kupirović

Bojan Kupirović (Croácia, 1989), bibliotecário na American Library in Paris (Biblioteca Americana de Paris) apresenta-nos um artigo sobre infoshops. Para quem desconhece o conceito, uma infoshop é um lugar onde a literatura alternativa/radical é distribuída. Os principais assuntos debatidos são: activismo, anarquismo, libertarismo, direitos dos animais, arte, economia, ambientalismo, feminismo, política, permacultura, socialismo, comunismo, trabalho organizado, vegetarianismo, veganismo, entre outros. Estes espaços culturais servem também para acolher reuniões, transformando-se em centros de recursos para grupos locais e activistas.

“Infoshops are libraries, reading rooms, community centers and places of generating “different” knowledge”.1

What are these “different” knowledges? Infoshops are places of generating, archiving and creating knowledges, very similar to the libraries, but with fundamental differences.

This short text will try to explain the term infoshop, its differences comparing to the traditional library and show some case studies in Croatia.

Alternative information centers or infoshops present a radical form of community library although they are much more than that because of their services. We could align them in the term “alternative libraries” coined by John L. Noyce in his article Alternative Bibliotheken in England – Selbsthilfe in Sachen Buch (1978) where he introduced two types of alternative libraries:

  • completely independent from the public library system and in complete collective ownership of the people who collected the materials;

  • libraries with special collections which are impossible to find in traditional libraries.2

Brad Sigal defines infoshop as a “place where people are involved in the work of radical movements and countercultures and where they exchange information, meet and network with other people and groups, hold meetings and/or events”3. Chuck Munson mentions that infoshops are usually promoted and organized by anarchist activists, but infoshop supporters and participants aren’t necessarily all anarchists – people are connected in the DIY (Do It Yourself) ethics4.

Kristen Curé and Nicole Pagowsky define infoshop as a collectively managed, non-hierarchical autonomous community space and as a place for discussion, debate, inquiry, information, reading, meeting and learning.5

Unlike institutionalized libraries, infoshops are self-contained: they are not managed by any council or board and are not associated with any institution, but are self-financed, often through volunteer or “self-exploited” work. The primary group of infoshop users comes from many social movements that are mostly involved in protests, because of the nature of the literature found there. You can find literature that is impossible to find in public libraries because it is often associated with alternative groups. For this reason, it is not the intention of infoshops to replace public libraries. In summary, they represent a radically different model of information management: how it’s organized, how it involves “ordinary” people directly in the organization and how they benefit from participating in the work of infoshops.6

Chris Dodge mentions that librarians generally agree that the existence of infoshops shows the failure of city libraries accused of having a short open time, focused on business-oriented materials on the account of everything else, and how they are not prone to ideas beyond the commercial mainstream. Therefore, as long as the library cannot be a zine archive, a distribution point for free publications, a meeting place, a concert venue, a “free school”, a “mail drop” for an activist group, there will be a strong need for infoshops in our culture and the alternatives they offer7. Chuck Munson agrees with this point of view, adding that infoshops are a reaction to the fact that most public libraries either ignore radical literature or intentionally omit such materials from their shelves.8

Curé and Pagowski point out that you can find books, video (DVD / VHS), music, magazines, bulletins and zines in the infoshops like in the regular libraries. However, they show a great deal of difference between the infoshop and the “ordinary” library. The difference is shown in the table.

INFOSHOPS

LIBRARIES

PURPOSE

Share alternative information and provide haven

Share information & provide space for use of library materials

ORGANIZATION

Unique SH: user-friendly and inclusive; classification by color or topic

LCSH, the Dewey Classification, the UDC, or other (not very user-friendly)

TECHNOLOGY

If any: Open source software or free collaborative software (LibraryThing)

Sophisticated ILS and OPAC (require educated catalogers)

USERS

Working class, activists, homeless, travelers

Often middle class

CIRCULATION

Anonymity important, circulation often not recorded

Circulation records track library info, user info, fines, etc.

ACQUISITIONS

Donations, trades, resources made in-house

Purchased from major vendors

FINANCING

Donations, dumpstering items, small fund raisers

Taxpayer money or private funds, donations

Table 1: Difference between infoshop library and “regular” library

Source: Kristen Curé and Nicole Pogawsky: Organising infoshop libraries and their collections: Bringing the community into cataloguing and matching users needs with organizational capabilities9.

Infoshops in Croatia

In Croatia there are currently four active infoshops:

  • Infoshop Pippilotta;

  • Infoshop Iskra;

  • Infoshop Tabula Rasa;

  • Infoshop Open Box.

Research about this infoshops was made in 2014 by the author of this text in the form of interview. The questions for the research were divided into the following: the first part is about infoshop in general, it continues with information about the infoshop fund, users, infoshop services, staff, funding and networking with other infoshops or libraries. The research was conducted with infoshops Pippilotta, Tabula Rasa and Open Box, while the infoshop Iskra, after initial consent to the research, decided not to take part in it.

The results of the research are summarized in the table.

Pippilotta

Tabula Rasa

Open Box

PURPOSE Free exchange of information, knowledge and skills, encouragement of discussions on current and neglected topics and the development of critical – reflective awareness. Designed for anyone interested in radical social change and socio-critical thinking with the aim of forming a non-hierarchical, non-authoritative, cooperative society. It promotes informal education and the strengthening of civil society.
ORGANIZATION Two classification systems: their own classification system by topic and UDC Books by UDC, fanzines by alphabet and countries and parts of the world they come from. There are no rules, the infoshop arbitrarily ordered shelves and cabinets by genres and topics.
TECHNOLOGY Open source: Linux Debian, Libre Office (catalogue in Excell format) Own software for lending materials, patron records and all materials are entered there Computer with Windows XP operating system
USERS Open for all, AKC Attack users, travelers, backpackers, “alternatives” Open to all, mostly students, young people aged 15-30, but also older, all groups, from subculture to professor Open to all, mostly young people who need a book that is not in the library or when they write a seminar
CIRCULATION There is no membership or membership fees, before lending the materials users leave their basic contact information The basic information about the members is entered into the database, the loan is controlled by the software Members receive a card with a name and serial number, and infoshop asks for basic user information
ACQUISITION Donations, purchases at fairs, exchanges Donations, shopping from Internet and special bookshops, publications from conferences Donations, the legacy of the former infoshop
FINANCING Donations, through projects from the city of Zagreb, the independent action “People’s Kitchen” Funded from the funds of the association Autonomni Centar – ACT Funding through project applications in the city of Split and the county

Table 2: Comparison of infoshops in Croatia

As we can see, the results of the research are following the pattern of the data presented in the table of Curé and Pogawsky.

This text and research opens more questions and possibilities for the further research – what is the situation in Paris and France with infoshops? What are the differences between French and Croatian infoshops? Is the infoshop scene changing and in which direction?

Although in some segments similar to conventional libraries, infoshops differ from them, mostly in the hierarchy of organization and in the materials they offer to users. During this research, the author of this text gained the impression that infoshops are needed in the society we live in because there is an information gap – radical, alternative information is difficult to reach in conventional libraries, Internet is full of various information and it’s often difficult to orientate in it – but infoshops represent a paradise for searchers of alternative and radical information – information that is flowing naturally, freely and fairly quickly because it specializes in one or several specific areas.

Until further research, we have the data which says that there is a demand for alternative information and spaces and this means that infoshops will continue to fill the information gap which we can find in the libraries.

1 Nikola, leader of the infoshop “Iskra” in Zadar (Croatia), quote takn from radio show “Abeceda nezavisne kulture”, available at: https://www.kulturpunkt.hr/content/abeceda-nezavisne-kulture-infoshopovi (22.7.2018.)

2 Noyce, John L. Alternative Bibliotheken in England – Selbsthilfe in Sachen Buch. // Buchund Bibliothek 30, 5(1978), 350-353

3 Brad Sigal: Demise oft he Beehive Collective: Infoshops ain’t the revolution, available at: http://www.infoshop.org/library/Demise-of-the-Beehive-Collective (22.7.2018)

4 Chuck Munson: Your Friendly Neighborhood Infoshop, MaximumRockNRoll, 1998, available at: http://www.infoshop.org/your-friendly-neighborhood-infoshop/ (22.7.2018)

5 Kristen Curé i Nicole Pagowsky: Organizing infoshop libraries and their collections: Bringing the community into cataloging and matching user needs with organizational capabilities, available at: http://www.slideshare.net/v_gan/organizing-infoshop-libraries-and-their-collections-bringing-the-community-into-cataloging-and-matching-user-needs-with-organizational-capabilities-1503532 (22.7.2018)

6 Chris Atton, (1999) “The infoshop: the alternative information centre of the 1990s”, New Library World, Vol. 100 Iss: 1, pp.24 – 29

7 Chris Dodge: Infoshops Are Paradise for Media Junkies, American Libraries, 1998, available at: http://www.utne.com/media/media-junkieparadise.aspx?PageId=2#axzz3BVAoknYA (22.7.2018)

8 Chuck Munson: Your Friendly Neighborhood Infoshop, MaximumRockNRoll, 1998, available at: http://www.infoshop.org/your-friendly-neighborhood-infoshop/ (22.7.2018)

9 Kristen Curé i Nicole Pagowsky: Organizing infoshop libraries and their collections: Bringing the community into cataloging and matching user needs with organizational capabilities, available at: http://www.slideshare.net/v_gan/organizing-infoshop-libraries-and-their-collections-bringing-the-community-into-cataloging-and-matching-user-needs-with-organizational-capabilities-1503532 (22.7.2018)

Texto de Bojan Kupirović
Introdução e revisão do texto por David Gonçalves

Anúncios

Bibliotecas são Comunidades no Goodreads

O Bibliotecas são Comunidades decidiu expandir-se para outras plataformas virtuais, começando pelo Goodreads. A partir de agora, podem aconselhar-nos livros que já leram ou que desejam ler; raridades, curiosidades ou mesmo alguns clássicos que nos escaparam. Podem deixar-nos as vossas proposições de leitura aqui; serão todas incluídas no nosso perfil.

O que é pretendido com esta iniciativa é partilhar e expandir o nosso gosto pela leitura.

“O [des]crédito da função”, por Daniel Gonçalves

O co-autor deste blog – Bibliotecas são Comunidades – descreve-nos neste texto a visão que a maior parte das pessoas têm em relação aos bibliotecários, demonstrando-nos ao mesmo tempo o que pode ser feito para esclarecer as funções que estes desempenham. Este texto está a ser publicado no dia em que o seu autor decidiu deixar Portugal para encontrar novos horizontes e novos desafios.

Quase sempre que refiro que sou Bibliotecário recebo como resposta um Ah…, seguindo-se a reconfortante pergunta: mas é preciso curso? Num dia favorável, ainda posso estar sujeito a ouvir – esta é a minha pergunta favorita – deves adorar ler, não é? Nesta última pergunta raramente consigo evitar a gargalhada; ainda não consegui foi descobrir se pela “inocência” da pergunta, ou se por ser mesmo verdade que gosto de ler.

O que realmente interessa retirar destas primeiras linhas é que se torna embaraçoso, em 99% das vezes, referir que sou Bibliotecário. O embaraço, entenda-se, não é meu e sim de quem pergunta, até porque nunca me sentiria embaraçado de algo que sinto orgulho – com alguma vaidade – em ser. Quem me questiona sente-se naturalmente embaraçado porque não compreende a função de um bibliotecário na comunidade a que serve. Por exemplo, se pensarmos na advocacia, creio que é consensual que a maioria das pessoas saiba minimamente que papel desempenha um advogado na sociedade. Se as pessoas, na sua generalidade, não entendem que é necessário estudar entre 3 a 5 anos para se desempenhar funções numa biblioteca, então algum motivo terá que haver. Acredito que é importante ter consciência de que a responsabilidade de contrariar e, especialmente, de não justificar este descrédito profissional, será sempre “só” nossa.

Sempre que sou confrontado com este tipo de perguntas, procuro encontrar nos meus pensamentos uma explicação que justifique o descrédito da nossa profissão por parte da nossa sociedade. Na minha opinião, existe um problema óbvio que o justifica: o desconhecimento das enormes potencialidades que residem nas competências profissionais dos bibliotecários, independentemente do contexto em que estas são aplicadas. Este é um problema que condiciona o reconhecimento da nossa profissão e que se deve, certamente, a inúmeros fatores que exigem estudo, reflexão e debate entre os pares. Contudo, julgo que será possível inverter este ciclo de descrédito se trabalharmos no sentido de potencializar essas competências para além do universo tradicional das bibliotecas, arquivos e centros de documentação. Eu acredito que não é a biblioteca que faz o bibliotecário, na mesma proporção que a coleção não faz uma biblioteca, até porque uma biblioteca sem livros pode perfeitamente prestar um serviço de excelência e de referência.

Quando me questionam se é necessário frequentar o ensino superior para ser Bibliotecário, eu respondo sempre, e de forma determinada que sim. Depois, tenho por hábito de referir a figura do Bibliotecário Clínico, explicando porque razão muitos diagnósticos médicos se fundamentam na informação credível e fidedigna, que é recuperada por estes profissionais. Geralmente, quando termino esta explicação, o desconforto desaparece e dá lugar ao interesse e à curiosidade, talvez porque as pessoas reconhecem nessa explicação a utilidade do nosso trabalho, mesmo que seja só nessa área específica.

É um facto que nós devemos dominar os conceitos de catalogação, indexação e classificação, no entanto, de nada serve saber catalogar e indexar se os nossos utilizadores não consultam os instrumentos de recuperação da informação, que são o produto final dessas tarefas. De nada nos serve partilhar frases em redes sociais, como: “Google can bring you back 100.000 answers. A librarian can bring you back the right one.” Esta frase, ao que consta da autoria do escritor Neil Gaiman, é no mínimo um pouco ousada e espelha perfeitamente o desconforto que alguns bibliotecários demonstram face às ferramentas digitais. Ora vejamos, se um utilizador me perguntasse: quanto é 74983*(123/45)? Eu teria que responder: não faço a mínima ideia. Já o Google responderia numa questão de segundos que o resultado é 204953,53333 (e sim, eu fiz a conta no Google). Outra expressão que não me seduz minimamente é a de que nós somos “facilitadores”, ou pior, a “ponte” entre o utilizador e o conhecimento. Não consigo concordar com estas expressões, pois considero que esse papel está destinado aos instrumentos de recuperação de informação, sejam eles produzidos por nós ou não. Vejamos, quando um bibliotecário cataloga materiais para inserir num catálogo OPAC, ele está a contribuir para a construção de um instrumento que facilita o acesso ao conhecimento. O grande problema é que muitos utilizadores preferem os motores de busca e web sites em detrimento destes instrumentos, o que me leva a considerar que este assunto deve também ser alvo de estudo, reflexão e debate pelos pares. Posto isto, podemos tomar uma de duas atitudes: ou perpetuamos uma posição de desconforto com motores de busca e outras ferramentas digitais, ou marcamos uma presença forte na web de forma definitiva. Eu pessoalmente prefiro a segunda, porque acredito que nós devemos marcar presença onde estão os que servimos, e acredito também que nós estamos em boa posição para construir essas “pontes” de acesso ao conhecimento.

Os bibliotecários Lei Wang e Holly Grosseta Nardini, da Harvey Cushing and John Hay Whitney Medical Library, são um bom exemplo de como os nossos conhecimentos podem ser aplicados para benefício das nossas comunidades. Estes bibliotecários desenvolveram uma ferramenta designada Yale Mesh Analyser, que constitui efectivamente uma ponte que facilita o acesso ao conhecimento científico, neste caso na área da saúde. Esta ferramenta, que é uma grelha de análise de descritores desta área (Mesh Therms), permite aos estudantes identificar “the reason why some known relevant articles are missing in the initial search result set, and serves as a “scoping search” tool to help identify potential new search terms and phrases.”1 Através dela, os estudantes conseguem garantir que não existe ruído ou omissão na sua estratégia de pesquisa, garantindo desta forma que não lhes escapa literatura relevante para o desenvolvimento das suas investigações. E sabem que mais? Esta ferramenta está disponível na web, é só digitar no Google a expressão: “yale mesh analyzer”, ou para os fãs mais acérrimos dos operadores booleanos : “yale AND mesh AND analyser”.

Como refere David R Lankes: “to be a librarian is not to be neutral, or passive, or waiting for a question. It is to be a radical positive change agent within your community.” Tomemos exemplo nestas palavras porque a mudança é sempre uma certeza, cabe-nos a nós decidir se queremos, ou não, ser o seu principal agente.

Texto de Daniel Gonçalves
Revisão do texto por David Gonçalves

 

Bibliotecas e comunidades: 65 anos de interação”, por Paulo Silva

Paulo Silva nasceu em Aveiro em 1981. Pensava que ia seguir história mas deu por si a estudar Ciência da Informação. Tirou o mestrado em Coimbra e finalmente conseguiu fazer o que gosta: ser investigador e trabalhar numa biblioteca. Partilha aqui connosco uma pequena reflexão sobre a evolução das bibliotecas com as suas respectivas comunidades.

No largo da igreja da aldeia, um grupo de crianças e adolescentes aguarda impacientemente a chegada de uma carrinha cor-de-laranja. O barulho do motor da velhinha Citröen começa a ouvir-se ao longe para gáudio dos miúdos, que, entretanto, se tornaram estranhamente irrequietos. Afinal de contas, a visita mensal da biblioteca itinerante era a única forma que tinham de conhecer novos mundos. Assim que a porta da velhinha carrinha abria, precipitavam-se todos lá para dentro na ânsia de escolher um novo livro, de encontrar uma nova história que os fizesse sonhar com o que até então, era desconhecido. Continue reading “Bibliotecas e comunidades: 65 anos de interação”, por Paulo Silva”

Nem só de livros se faz uma biblioteca II

Voltei a trabalhar numa biblioteca desde o passado mês de Agosto. As minhas principais tarefas são: abrir e fechar a biblioteca, atender o público, inscrever os novos membros e arrumar os livros que foram retirados das suas respectivas estantes. Habituei-me rapidamente a executar estas funções, visto que não são diferentes relativamente a outras bibliotecas onde trabalhei. Continue reading “Nem só de livros se faz uma biblioteca II”

“Biblioteca de rótulos”, por Júlio Roldão

Júlio Roldão nasceu no Porto em 1953, onde vive. Foi para Coimbra em 1971 para aprender Direito mas acabou a fazer Teatro e a fazer-se jornalista. Foi repórter, redactor e editor num Jornal da Imprensa escrita durante 28 anos. Foi director criativo numa empresa de conteúdos durante oito anos. É jornalista profissional.

Aceitou o nosso desafio de escrever um pequeno texto exclusivamente para o nosso blog, em que o tema proposto foi uma biblioteca de rótulos de vinho. Aqui está o resultado.

Continue reading ““Biblioteca de rótulos”, por Júlio Roldão”

O Super Bibliotecário!

Na tua opinião, quais seriam os super poderes do Super Bibliotecário?

Esta foi a pergunta que o Bibliotecas são Comunidades fez a Alexandra Vangsnes* – ilustradora americana e assistente de biblioteca residente em Paris. Respondeu-nos prontamente, com uma ilustração. Eis o resultado!

librarian

E para vocês, quais seriam os super poderes do Super Bibliotecário?

*Quando não está a desenhar ou a ler, Alexandra Vangsnes gosta de tricotar, bordar, dançar ballet, jogar tarot, ouvir música folk, cozinhar, viajar e beber cerveja. Recentemente, abriu uma loja em linha – alexandravangsnes.etsy.com – onde podem encontrar/comprar os seus produtos.